Playlist

domingo, 2 de outubro de 2011

Felipão e Lei do silêncio! E o Palmeiras se afunda!

O Palmeiras ontem novamente não passou de um empate contra o America-MG e chegou ao decimo terceiro empate no campeonato e está em oitavo lugar. Em campo, o time mostrou que continua dependente de Marcos Assunção, sempre eficiente nas bolas paradas.

Novidade no time de Felipão? Se lembrarmos do time do Palmeiras campeão da libertadores, as jogadas eram baseadas nos cruzamentos e nas bolas paradas do ótimo lateral paraguaio Arce. Felipão prova que essas jogadas podem levar ao sucesso de um time na temporada.

O problema do Palmeiras de hoje são as pessoas. A cada resultado negativo, a coisa desanda. A defesa reclama do ataque, que não prende bola e o ataque reclama da defesa, que toma gols bobos. Esses comentários estão sempre gravitando entre Marcos e Kleber, que ao se dizerem Palmeirenses de coração, desandam a reclamar publicamente de seus companheiros, esquecendo-se que dependem deles para alcançar suas vitórias, sejam pessoais ou não.

Qual a solução encontrada? Silêncio! Felipão determinou que dentro do clube os atletas não dariam mais entrevistas a imprensa. A forma encontrada pode fazer com que o elenco se acalme e que se concentre mais dentro de campo. Logico que a forma é estúpida e quase sempre não termina bem.

Já não é a primeira vez que Felipão toma essa atitude dentro do clube nesse seu retorno. O problema maior é que para resolver o problema, Felipão deve confrontar três ídolos do clube, pela ordem Marcos, Valdívia e Kleber, que além de detonar dirigentes, virou sua metralhadora para os seus companheiros.

O melhor é que Felipão conseguiu o que queria. O foco agora é a lei do silêncio e não a péssima produção do time alviverde. É preciso nessa hora ter a visão nas entrelinhas e não se deixar pautar pelo treinador. Mas pelo que parece, o foco tem que ser a Lei do Silêncio.

Enquanto isso... o torcedor sofre. Não deixa de comparecer aos estádios e tem a esperança que algo vai mudar. Pobre torcedor!

Marcelo Alves Bellotti

Nenhum comentário:

Postar um comentário