Playlist

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Limeira: Clássico "esvaziado"

A fase final do Campeonato Paulista da série A3 chega a sua fase final, prometendo vários jogos emocionantes de oito times visando quatro vagas do acesso para a série A2 de 2015.

Dentre os classificados, estão os dois times de Limeira, que devido a sua classificação na tabela, disputarão uma vaga no mesmo grupo.

 Então, teremos um derby limeirense na definição da vaga para a série A2, o que deveria ser motivo para mobilizar a cidade novamente para a disputa de um jogo de futebol. O clássico conta com 21 partidas sendo que a última foi na fase de classificação, onde o Independente venceu a Inter pelo placar de 1 a 0 no Major Levy Sobrinho, campo da Inter.


O confronto tem dois apelidos, conforme suas torcidas, sendo que os apelidos vem das iniciais dos seus mascotes, no caso Leão (Inter) e Galo (Independente). Para os torcedores da Inter, o clássico é chamado de LeGal (Leão x Galo), já para os torcedores do Intependente é chamado de GaLeão (Galo x Leão).


Tudo isso era um sinal de um grande confornto para uma grande torcida. Mas a FPF tratou de "esvaziar" o confornto, marcando o jogo de ida para o dia 23 de abril (Quarta-feira) as 20 horas no Major Levy Sobrinho, mando da Inter e o jogo da volta no dia 07/05, outra quarta-feira, também as 20 horas no Comendador Agostinho Prada.

Fazer futebol profissional no Brasil já é difícil. O orçamento dos clubes é baixíssimo, sobretudo nas divisões inferiores, e quando se abre uma possibilidade para obter uma arrecadação maior, acirrando uma rivalidade que só faz bem para o futebol, envolvendo dois times tradicionais da mesma cidade, a FPF marca os jogos para o meio de semana.

Alias cabe uma reflexão: Por que os jogos da série A36 serão disputados no meio de semana? Qual o motivo do campeonato ter o seu final previsto para o dia 11 de maio, sendo que a Copa do Mundo só se inicia em 12/06?

Assim caminha o nosso futebol. Clubes pobres, federações ricas e completamente ineficientes e estádios vazios. Até quando?

Marcelo Alves Bellotti

Nenhum comentário:

Postar um comentário