Playlist

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Seleção do povo?

Brasil e Argentina retornam a campo para a disputa da antiga Copa Rocca. A novidade é o regulamento, que obriga as seleções a contarem apenas com jogadores que jogam nos campeonatos Brasileiro ou Argentino.

Melhor para a Argentina, que pode contar com nomes como Montillo e Ginanzu.  Eu não consegui entender a não convocação do volante Willians, ex Santo André e atualmente no Flamengo, maior ladrão do campeonato brasileiro.

O mais estranho é que as revelações que brilham no futebol brasileiro, como é o caso de Ronaldinho, Lucas e Neymar, não conseguem levar o Brasil as vitórias, ou pelo menos a atuações minimamente convincentes.

O trio faz sucesso nos clubes de origem, mas parece que juntos não brilham.

Mas mesmo assim o jogo promete. Vamos aguardar.

Marcelo Alves Bellotti

sábado, 10 de setembro de 2011

Neymar - Eterna Polêmica

Neymar é craque. Disso eu não tinha dúvida desde a base. Ele é especial, sabe tocar a bola, dribla muito e faz gols.

Tem as suas imperfeições? seus defeitos? Claro... Isso todos temos. Ainda mais um menino tão novo em um futebol competitivo.

Entre os seus defeitos, o menino gosta de se jogar... isso é natural pela pouca idade!

O que tenho notado é que existe uma dualidade nas opiniões. Os que são contra, são exagerados, em um sentimento que beira ao ódio... Os que são a favor, simplismente acham que trata-se do jogador mais caçado do futebol brasileiro.

É interessante verificar como a opinião dos técnicos mudam de acordo com o seu interesse, como a do Muricy hoje logo após o jogo do Santos contra o Cruzeiro.

O fato é que o time do Cruzeiro teve dois jogadores expulsos por conta de lances com o menino. Fabricio o agrediu enquanto o zagueiro que ia tomando uma carretilha levou um amarelo totalmente injustificado.

Neymar é esperto. Sabe como e quando comanda a arbitragem no Brasil. Faz o que bem entende com os árbitros, como fez hoje na primeira expulsão. O lance foi normal, revendo depois chegia a duvidar se realmente foi falta.

No final do jogo, Muricy bradou aos quatro cantos que agora a imprensa que tanto criticou o menino, deveria agora estar do lado dele, que já não cai mais, a seu pedido e que continua sendo caçado.

Não é verdade. Neymar continua se jogando. Muricy não tem essa capacidade nem esse mérito. O menino deu uma boa melhorada, e deve sim é parar de ser perseguido.

Em lances que ele se jogar, como aconteceu hoje... é só não marcar falta. Não podemos nos esquecer que, com a camisa do Brasil em Londres, Neymar foi vaiado PELO ESTÁDIO INTEIRO, por se jogar simulando faltas e pênaltis.

Será que isso foi influência da crônica esportiva??? Pura bobagem.

O tempo vai faze-lo agir de acordo com a situação. Na Inglaterra, jogue como os Ingleses, onde quase nada é falta. Na Europa, porte-se como Europeu, não reclamando de árbitros nem discutindo com técnicos ou companheiros de equipe. Na Libertadores, jogue sabendo que vai apanhar e bater, que sofrerá pressão e tudo mais.

Isso virá com o tempo. O menino é craque e vai aprender.

E ainda vai nos dar alegrias... é só esperar!

Marcelo Alves Bellotti

Publico de futebol quer jogo bom!

No meio da semana, tivemos um fenômeno que há tempos não acontecia. São Paulo com récorde de público na centésima partida de Rogerio Ceni, o Botafogo lotou o Engenhão e o Corinthians lotou o Pacaembu.

A explicação é simples. Bons times, em grandes fases brigando para ser campeões. Embora os defensores do sistema de pontos corridos defendam que esses acontecimentos são decorrentes dessa disputa, uma análise mais fria vai detectar que independentemente da fórmula, o torcedor brasileiro gosta de ver o seu time em boa fase, brigando po um objetivo.

No caso do São Paulo, pontualmente tinhamos um grande evento, pois tradsicionalmente a torcida tricolor não costuma lotar estádios.

Podemos trazer isso para qualquer realidade, para termos um diagnóstico mais assertivo da situação.

Ano passado o XV de Piracicaba teve média de mais de 80% de ocupação do seu estádio. O campeonato era classificatório e não por posntos corridos.

Porém o que mais chama a atenção é o comentário dos cronistas especializados. Novamente o assunto é a ausência de Palmeiras e Corinthians no estádio do São Paulo.

Dizem que esses times não querem ganhar dineiro, esquecendo que a arrecadação de um deles é simplismente a maior do país, mesmo jogando em um palco menor e cobrando ingressos mais caros para aqueles que não possuem "cartão fidelidade".

É complicado quando a discussão deixa de ser do interesse público e parte para o interesse pessoal ou de grupos. Não consigo mais ver isenção de nenhuma parte.

O fato é que o nosso apaixonate futebol, quando bem  jogado e bem promovido, consegue levar torcedores aos jogos dos seus times, pelo menos os que brigam pelo título.

Brasileiro gosta de ver o seu time jogando bem e ganhando. Afinal, futebol é diversão!

Marcelo Alves Bellotti

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

O mito completa 1000 jogos

Hoje no Morumbi não será apenas mais uma rodada para o São Paulo Futebol Clube, mas sim a confirmação da figura de um mito, o goleiro Rogério Ceni.

Rogerio Ceni para os Sãopaulinos é venerado como um dos maiores ídolos de sua história. 

O goleiro cada vez mais se torna um mito na história tricolor e completa hoje sua milésima partida.

São 1000 partidas e 100 gols, marca histórica para um jogador de futebol. Quando se fala em um goleiro o feito fica mais incrível ainda.

Para que se tenha uma idéia, apenas dois jogadores do Brasil tem essa marca em seus respectivos clubes: Pelé no Santos e Roberto Dinamite, no Vasco.

Rogério é uma figura bem tradicionalmente composta como jogador de clube. Amado pela sua torcida, é odiado pelas demais. Talvez essa tenha sido a razão maior de não ter tido sucesso com a camisa da seleção Brasileira. Era titular absoluto do técnico Leão e de Vanderlei Luxemburgo, mas após declarações extremamente infelizes, demosntrando extrema arrogância, acabou queimado pelos técnicos e pela CBF.

Ainda assim, disputou duas Copas do Mundo e tem em sua história a participação em um jogo da Copa de 2006.

Essa trajetória rendeu-lhe também a fama de madar no clube tanto quanto Juvenal Juvêncio, o homem forte de plantão atualmente no Morumbi. 

Nauralmente ele é consultado em temas polêmicos, como escolha de técnicos e contratação de jogadores.

Considero natural e salutar para o clube do Morumbi. Diferenciado em todos os sentidos, Rogerio comanda o time do São Paulo independente do técnico que senta no banco. 

Inteligente, utiliza a camisa 01 (ou 10 ao contrário). Já teve camisas maravilhosas e atitudes desastrosas, que garantem a sua imagem cada vez mais adorada apenas pelo torcedor do time do Morumbi.

Hoje teremos somente a festa. Rogerio Ceni está para sempre na história do futebol brasileiro. Ficará igualmente marcado para sempre no coração do torcedor Sãopaulino. 

Parabéns, Rogerio Ceni...o mito!

Marcelo Alves Bellotti