Playlist

sábado, 27 de agosto de 2011

As empresas e o futebol moderno

Um dia, após a aprovação de uma lei que levava o seu nome, Pele decretou que, no Brasil estava chegando ao fim o período de escravidão no Futebol. Estava abolida a lei do Passe.

Isso já era esperado, após o movimento ter sido feito com sucesso na Europa, a tendência era de que chegasse rapidamente no Brasil.

Acontece que as pessoas que elaboraram a Lei a fizeram cheia de imperfeições e de brechas. Acabou tirando o direito dos clubes e passando-os para empresários.

Criaram a figura do Agente de Futebol, do Procurador e do Empresário. Hoje temos cluber paupérrimos e empresários milhonários, determinando aonde jogam os seus jogadores.

Isso tudo por um rancor de que todo dirigente é incopentente e que o futebol na verdade só será bem administrado quando se transformarem Empresa.

Isso foi pensado pelo valor que os clubes grandes movimentam, transformariam-se em Sociedades Anônimas e teriam ações em bolsa, sujeitas ao controle da CVM, etc.

Ledo engano... até hoje me pergunto se isso não foi proposital. Os clubes grandes até hoje não tiveram nenhum interesse em se transformar em Sociedades Anônimas e pelo que diz a Lei, surgiram as sociedades por quotas de responsabilidade limitada.

Sim, pois não se imagina que estruturas profissionais em cidades pequenas negociem suas ações em bolsa. Surgiram então os Clube-Empresa em cidades menores, como o time da Traffic, em Porto Feliz (mesmo com a sede da Traffic em São Paulo).

Eis a grande discussão do momento... A sede!!!

Estruturas profissionais quando instaladas em cidades menores exigem do poder público local, algumas regalias e isenções. Isso é normal no mundo corporativo, embora não pareça ético.

Prefeitos concedem isenções, incentivos, conversam com as empresas da cidade, reformam seus estádios, enfim... tudo pra receber empresas dispostas a investir no futebol e expor a sua cidade no cenário estadual ou nacional.

Como o futebol é paixão, logo há um racha entre prefeito e empresário e a parceria se desfaz.

Assim ocorreu por exemplo em Guaratinguetá, que levou a empresa a procurar uma estrutura em Americanaque prontamente recebeu a estrutura de portas abertas, mesmo já possuindo um clube tradicional na cidade, no caso o Rio Branco.

A empresa tem que pagar a sua conta no final do ano. Se não deu certo em Guaratinguetá, vamos a Americana, em Barueri, em Paulínia ou em qualquer prefeitura que aceite receber um time de futebol.

Prefeituras não faltam.

Essa é a modernidade. Bem-vindos!

Marcelo Alves Bellotti

domingo, 21 de agosto de 2011

Opinião - Cada coisa em seu lugar

Futebol é observação. Consegui ter hoje a visão crítica desse esporte somente por observação. Razão pela qual não me considero nenhum especialista, apenas apaixonado.

Porém acho complicado quando os especialistas debruçam seu tempo e os momentos preciosos em suas empresas de comunicação em campanhas a favor de uma pessoa e congtra a outra.

Falo especificamente do caso do ex jogador de futebol Zé Elias que devido a uma discussão sobre pensão alimentícia, acabou sendo preso e foi libertado ontem a noite.

O mais incrível da história é que não se limitou apenas a descrição de um caso de uma pessoa pública, ex-jogador de futebol e analista esportivo (em início de carreira, mas que demonstra conhecimento). O caso foi devidamente julgado e seu veredito dado em todas as declarações de seus colegas.

Sim por que o caso não se trata de notícia. Uma pessoa que discute judicialmente um valor de Pensão Alimentícia e que tem contra si uma prisão decretada pelo não pagamento é um problema que pertenc somente as duas partes envolvidas. Somente a elas e a ninguém mais.

Ouví várias manifestações claramente corporativistas e empresas de comunicacão fazendo pautas em programas esportivos para falar de um problema de família. O mais absurdo é que além da notícia, que só pode ser considerada natural por ser o Zé Elias havia também o julgamento e a condenação sem prévia defesa ou ouvir a outra parte. Parecia que só havia um pobre injustiçado e que o outro lado era tão explicitamente vilão que não deveria ser sequer ouvido.

Lamentável... Demonstração explícita de estupidez coletiva.

Não sei quem tem razão na história, que aliás não tem nada a ver com o futebol ou com qualquer programa esportivo. Continuo ouvindo e admirando o Zé Elias... e ele que resolva seus problemas sozinho.

Caso haja imperfeições na Lei... a pauta pode ser de uma ampla discussão sobre o tema. Mas não se trata disso... após a saída da prisão... o assunto esfria... e cada um volta a sua vida.

Não há interesse pelo jornalismo... Somente é preciso ajudar um amigo!

Essa é a minha Opinião.

Marcelo Alves Bellotti

sábado, 6 de agosto de 2011

Milan vence Inter e conquista a Supercopa da Italia

Jogando no Ninho de Passaro na China o Milan, campeão Italiano derrotou a Inter, que foi campeã da Copa da Italia.

O jogo foi morno, pois estamos no início da temporada e o Campeonato Italiano só começa no final do mês.

A Inter saiu na frente com um belo gol de falta de Sneijder em um primeiro tempo marcado pelo domínio do time do goleiro Julio Cesar.

Com o segundo tempo, o time Rossonero acordou e equilibrou a situação. Com as melhorias de produção de Robinho e Ibra, o time chegou ao empate. Passe de Robinho para Seedorf, cruzamento na cabeça de Ibra e empate do Milan.

O domínio continuou e com um belo chute de Pato, que entrou no lugar de Robinho, Julio Cesar espalmou, a bola foi na trave e sobrou para Price Boateng, que marcou o segundo gol e garantiu o sexto título da competiçaõ, tornando-se o seu maior vencedor.

A Supercopa da Italia foi disputada pela segunda vez na China (a primeira vez foi em 2009).

Parabéns ao Milan, que inicia a temporada com um título!!!

Marcelo Alves Bellotti